Raciocínio investigativo análise racional da investigação criminal segundo a teoria dos jogos.

Conteúdo do artigo principal

André Luiz Bermudez Pereira
https://orcid.org/0000-0003-1285-4903

Resumo

A investigação criminal se apresenta como um processo para a descoberta de possíveis crimes. A atuação investigativa no Brasil se opera por intermédio da Polícia Judiciária, responsável pelo levantamento de provas da materialidade delitiva e indícios de autoria, sendo os atos investigativos presididos pelo delegado de polícia. A figura do gestor da investigação criminal, além das responsabilidades atinentes à função de chefia e liderança ocupada na estrutura administrativa da polícia investigativa, tem a missão de conduzir o processo investigativo com cientificidade, racionalidade e estratégia. A adoção de lógica nos processos decisórios relacionados às linhas de investigação (hipóteses iniciais) a serem seguidas deflagra a cadência de atos relacionados ao levantamento de informações sobre a prática do crime. O olhar estratégico para a execução de diligências passa pela perspectiva de que a investigação criminal é um jogo de interesses entre atores (investigadores, vítimas, testemunhas, investigados). Nessa senda, a teoria dos jogos se apresenta para auxiliar na estruturação do pensamento estratégico na investigação criminal, apresentando ferramentas que auxiliam o tomador de decisão a refletir racionalmente e de forma planejada. A estruturação do pensamento científico na investigação criminal aliado à noção de necessidade de planejamento estratégico se apresentam como estruturas imprescindíveis para o desenvolvimento de uma investigação criminal eficiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
PEREIRA, A. L. B. . Raciocínio investigativo análise racional da investigação criminal segundo a teoria dos jogos. Revista Brasileira de Ciências Policiais, Brasília, Brasil, v. 14, n. 11, p. 227–252, 2023. DOI: 10.31412/rbcp.v14i11.1009. Disponível em: https://periodicos.pf.gov.br/index.php/RBCP/article/view/1009. Acesso em: 29 fev. 2024.
Seção
Dossiê
Biografia do Autor

André Luiz Bermudez Pereira, Polícia Civil de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Brasil / Delegado de Polícia Civil | Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Brasil/ Doutorando

Doutorando em Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina (EGC/UFSC). Mestre em Ciências Jurídicas pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Possui graduação na Faculdade de Direito pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Pós graduação pela UNIDERP - especialização em Ciências Penais (Formação para Magistério Superior). Atualmente exerce a função de Delegado de Polícia em Santa Catarina, atuando como Diretor da Academia de Polícia Civil de Santa Catarina. É autor do livro "A investigação Criminal orientada pela Teoria dos Jogos" e coautor dos livros "Para entender a colaboração premiada pela teoria dos jogos" e "como negocial acordo de não persecução penal". É professor titular das disciplinas de Procedimentos de Polícia Judiciária (PPJ) e Teoria Geral da Investigação Criminal (TGI) na Academia de Polícia Civil de Santa Catarina (ACADEPOL). 

Referências

ASENSI, F. Delegados-líderes e a necessidade de pensar contra o cérebro. In: ZANOTI, B. T.; SANTOS, C. I. (Eds.). . Temas Avançados de Polícia Judiciária. Salvador: JusPodivm, 2015. p. 103–138.

BARBOSA, A. M. Curso de Investigação Criminal. Porto Alegre: Núria Fabris, 2014.

BERMUDEZ, A. L. A Investigação Criminal Orientada pela Teoria dos Jogos. 3. ed. Florianópolis: EMais, 2021.

BÊRNI, D. DE A. Teoria dos Jogos: jogos de estratégia, estratégia decisória, teoria da decisão. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso, 2004.

BRAZ, J. Investigação Criminal: A Organização, o Método e a Prova. Coimbra: Almedina, 2009.

COOK, T. Senior Investigating Officer´s - handbook. 5. ed. New York: Oxford University Press, 2019.

CORDEIRO, I. O Direito Penal e a Polícia Judiciária no Estado Democrático de Direito. In: SOUZA, D. T. Q. DE; GUSSO, R. B. (Eds.). . Estudos sobre o papel da polícia civil em um Estado Democrático de Direito. Florianópolis: Empório do Direito, 2016. p. 133–158.

D´AMICO, A. L. A Contribuição da Teoria dos Jogos para a Compreensão da Teoria de Relações Públicas: uma análise da cooperação. [s.l.] Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2008.

ROSA, A. M. da. Guia Compacto do Processo Penal Conforme a Teoria dos Jogos. 3. ed. Florianópolis: Empório do Direito, 2016.

ROSA, A. M. da. Para Entender a Delação Premiada pela Teoria dos Jogos: táticas e estratégias do negócio jurídico. Florianópolis: EModara, 2018.

ROSA, A. M. da; BERMUDEZ, A. L. Para Entender a Delação Premiada pela Teoria dos Jogos: táticas e estratégias do negócio jurídico. 2. ed.. Florianópolis: EMais, 2019.

EMIL BERG, M. et al. Police management roles as determinants of knowledge sharing attitude in criminal investigations. International Journal of Public Sector Management, v. 21, n. 3, p. 271–284, 2008.

FAHSING, I. A. The making of an Expert Detective. Thinking and Deciding in Criminal Investigations. Avhandling/Göteborgsuniversitet, Psykologiska inst. Sweden, 2016.

FERREIRA, L. H. C.; FERREIRA, N. J. C. Investigação Criminal: um estudo metodológico. 2. ed. São Paulo: Sicurezza, 2013.

FIANI, R. Teoria dos Jogos. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier Ltd, 2015.

GIACOMOLLI, N. J. A fase preliminar do processo penal: crises, misérias e novas metodologias investigatórias. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

GOTTSCHALK, P.; DEAN, G. Stages of knowledge management systems in policing financial crime. International Journal of Law, Crime and Justice, v. 38, n. 3, p. 94–108, nov. 2010.

GOTTSCHALK, P. Knowledge management in criminal investigations: The case of fraud examiners. Journal of Information and Knowledge Management, v. 15, n. 4, p. 1–15, 2016

INNES, M. Investigating Murder: detective work and the police response to criminal hom. Oxford: Oxford University Press, 2003.

JEROME, B. Criminal investigation and criminal intelligence: example of adaptation in the prevention and repression of cybercrime. Risks, v. 8, n. 3, p. 1–10, 2020.

NORDIN, M.; PAULEEN, D. J.; GORMAN, G. E. Investigating KM antecedents: KM in the criminal justice system. Journal of Knowledge Management, v. 13, n. 2, p. 4–20, 2009.

PEREIRA, E. da S. Teoria da Investigação Criminal: uma introdução jurídico-científica. 2. ed. São Paulo: Almedina, 2019.

QUEIROZ, D. A permeabilidade do processo penal. Florianópolis: Empório do Direito, 2017.

SANTOS, C. J. dos. Teoria Geral da Investigação Criminal. 2. ed. Belo Horizonte: Pandion, 2021.

SMITH, N.; FLANAGAN, C. Effective Detective: Identifying the Skills of an Effective SIO. Police research Series Paper 122, p. 66, 2000.