UTILIZAÇÃO DO REPORTANTE PARA A OBTENÇÃO DE DADOS COMO FERRAMENTA DE INTELIGÊNCIA POLICIAL

Claudio Menezes Cabral Jr.

Resumo


O presente trabalho visa analisar os aspectos legais, teóricos e práticos da utilização, no Brasil, da figura do reportante, também conhecido como: whistleblower, em tradução literal, assoprador de apito. Uma figura jurídica, já totalmente, consolidada na Europa e nos EUA como importante ferramenta no combate à corrupção, à lavagem de dinheiro entre outros ilícitos, que vem sendo estudada, debatida e adaptada para integrar o ordenamento jurídico nacional. Descrevendo suas principais características, verificando os aspectos históricos e jurídicos relacionados a sua atuação, além de destacar a importância do seu uso como instrumento de obtenção de dados voltados para a inteligência policial, modalidade de inteligência de Estado aplicada aos problemas da segurança pública. Sempre ratificando a utilidade do instituto para os órgãos policiais no desempenho de suas competências institucionais, o presente estudo chama a atenção para a vocação natural da figura do reportante, de estar inserido na chamada inteligência policial. Sob este ponto de vista que dissertaremos, dando destaque ao manejo do reportante, destinado subsidiar o trabalho da Polícia Judiciária no desenvolver da investigação policial.

Palavras-chave


Reportante. Whistleblower. Inteligência Policial. Polícia Federal.

Texto completo:

PDF

Referências


AVOLIO, Luiz Francisco Torquato. Provas ilícitas: interceptações telefônicas, ambientais e gravações clandestinas em face das Leis. 3. ed. rev., ampl. atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

AMB. A Imagem das Instituições Públicas Brasileiras. Setembro/2017. Disponível em http://www.amb.com.br/docs/pesquisa/imagem_instituicoes.pdf. Acesso em: 24 ago. 2018.

BRANDÃO, Priscila (org). CEPIK, Marco (org). Inteligência de Segurança Pública: Teoria e Prática no Controle da Criminalidade. Niteroi: Impetus, 2013.

BRASIL. Curso de Introdução à Atividade de Inteligência, SENASP, 2015.

_______. Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública, SENASP, 2009.

_______. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituição.htm.

_______. Lei nº 9.883, de 7 de dezembro de 1999. Institui o Sistema Brasileiro de Inteligência, cria a Agência Brasileira de Inteligência - ABIN, e dá outras providências. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9883.htm.

Acesso em: 25 mar. 2017.

_______. Lei nº 13.608, de 10 de janeiro de 2018. Dispõe sobre o serviço telefônico de recebimento de denúncias e sobre recompensa por informações que auxiliem nas investigações policiais; e altera o art. 4º da Lei nº 10.201, de 14 de fevereiro de 2001, para prover recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública para esses fins. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2018/lei-13608-10-janeiro-2018-786085-publicacaooriginal-154740-pl.html. Acesso em: 24 ago. 2018.

CEPIK, Marco Aurélio Chaves. Espionagem e Democracia. Rio de Janeiro: FGV, 2003. Disponível em: http://professor.ufrgs.br/marcocepik/publications/ag/C?sort=type&order=asc. Acesso em: 20 ago. 2018.

CRUZ, Juliana Cristina da. A Atividade de Inteligência de segurança Pública Para o Fortalecimento da Cidadania. Florianópolis, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/104293/A_Atividade_de_Intelig%C3%AAncia_de_Seguran%C3%A7a_P%C3%BAblica_para_o_fortalecimento_da_cadadania.pdf?sequence=1. Acesso em: 06 abr. 2017.

DA SILVA, Juarez Antônio. Atividade de inteligência: Efeitos da Ineficiência Normativa. Inteligência de Segurança Pública e cenários prospectivos da criminalidade. Belo Horizonte: Ed. D’Plácido, 2016.

ENCLA. O que é o whistleblower?. Disponível em: http://enccla.camara.leg.br/noticias/o-que-e-o-whistleblower. Acesso em: 03 jun. 2018.

IBOPE. Confiança do brasileiro nas instituições é a mais baixa desde 2009. Agosto/2018. Disponível em: http://177.47.5.246/noticias-e-pesquisas/confianca-do-brasileiro-nas-instituicoes-e-a-mais-baixa-desde-2009/. Acesso em: 23 ago. 2018.

MARTNS, Jomar. “Whistleblower é um aliado do Estado no combate à corrupção”. Setembro/2016. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2016-set-20/whistleblower-aliado-estado-combate-corrupcao. Acesso em: 03 jun. 2018.

MILANEZ, Bruno. Anotações sobre as propostas legislativas a respeito do whistleblowing no Brasil. Março/2017. Disponível em: https://canalcienciascriminais.com.br/propostas-legislativas-whistleblowing/. Acesso em: 01 jun. 2018.

MILANEZ, Bruno. Prevenção à corrupção: Whistleblower Protection Act e Sarbanes Oxley Act. Março/2017. Disponível em: https://canalcienciascriminais.com.br/ whistleblower-act-sarbanes-oxley-act /. Acesso em: 02 jun. 2018.

MILANEZ, Bruno. Técnicas jurídico-penais de prevenção à corrupção: whistleblowing. Fevereiro/2017. Disponível em: https://canalcienciascriminais.com.br/corrupção-whistleblowing/. Acesso em: 01 jun. 2018.

NUNES. Leandro Bastos. A Lei 13.608, de 10 de janeiro de 2018 , criou o “Whistleblower”?. Janeiro/2018. Disponível em: http://meusitejuridico.com.br/2018/01/17/lei-13-608-de-10-de-janeiro-de-2018-criou-o-whistleblower/. Acesso em: 10 jun. 2018.

OLIVEIRA, Juliana Magalhães Fernandes. A urgência de uma legislação whistleblowing no Brasil. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, Maio/2015 (texto para discussão nº 175). Disponível em: www.senado.leg.br/estudos. Acesso em: 01 jun. 2018.

PACHECO, Denilson Feitoza. Atividades de inteligência e processo penal. In: IV JORNADA JURÍDICA DA JUSTIÇA MILITAR DA UNIÃO – AUDITORIA DA 4ª CJM, 30 set. 2005, Juiz de Fora/MG. Disponível em: http://www.advogado.adv.br/direitomilitar/ano2005/denilsonfeitozapacheco/ativid adedeinteligencia.htm. Acesso em: 20 jan. 2014.

ROMÃO, Cide Ferreira. O que é Inteligência Policial: Discutindo um conceito. Disponível em: http://www.inteligenciapolicial.com.br/2011/03/artigo-o-que-inteligenciapolicial. html. Acesso em: 06 abr. 2017.

SANTOS, Célio Jacinto dos. Investigação Criminal e Inteligência: Qual a Relação? In Revista Brasileira de Ciências Policiais, Brasília, v. 2, n. 1, p. 103-131, jan/jun 2011. Disponível em: http://periodicos.dpf.gov.br/index.php/RBCP/article/download/48/47. Acesso em: 10 abr. 2013.

SENASP. Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública – DNISP, disponível em: http://xa.yimg.com/kq/groups/31619209/91746107/name/Doutrina+Nacional+de+Intelig%C3%AAncia+de+Seguran%C3%A7a+P%C3%BAblica.pdf>. Acesso em: 10 abr. de 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.31412%2Frbcp.v11i3.654

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

e-ISSN: 2318-6917 || p-ISSN: 2178-0013 || ISSN-L: 2178-0013

                                                                                                          ANP Editora     OAI PMH Metadata (Open Archives)