A BUSCA REVERSA POR DADOS DE LOCALIZAÇÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: análise crítica do RMS 61.302/RJ

Gianluca Martins Smanio

Resumo


O desenvolvimento das tecnologias da informação permitiu à autoridade policial utilizar-se de dados pessoais para investigar indícios de autoria e materialidade delitiva no decorrer do inquérito policial. Contudo, a busca por tais dados, como é o de caso da informação quanto a localização, envolve restrição a direitos fundamentais do investigado, como a privacidade e o sigilo da comunicação dos dados, que são tutelados pela Constituição da República. Ainda, a regulamentação no direito brasileiro é esparsa e omissa, em especial no tocante à busca reversa por dados de localização, que visa obter o Internet Protocol de alguém que esteve no local do crime, na hora do crime, obrigando o Superior Tribunal de Justiça a debruçar-se e buscar regulamentar o meio de obtenção de prova de acordo com o que a lei dispõe. Cabe apontar que essa aplicação analógica pode trazer questionamentos, que merecem ser analisadas criticamente.

Palavras-chave


Dado de localização; Meio de Obtenção de Prova; Investigação Digital; Busca reversa; Superior Tribunal de Justiça

Texto completo:

PDF

Referências


BADARÓ, Gustavo Henrique. Processo Penal. 8ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2020.

BIONI, Bruno Ricardo. Proteção de dados pessoais: a função e os limites do consentimento. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2020.

COSTA JÚNIOR, Paulo José da. O direito de estar só: tutela penal da intimidade. 4ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

DONEDA, Danilo. Da Privacidade à proteção de dados pessoais: fundamentos da Lei Geral de Proteção de Dados. 2ª ed. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2019.

FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Sigilo de Dados: o Direito à privacidade e os limites à função fiscalizadora do Estado. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. São Paulo, v. 88, p. 439-459, jan-dez, 1993.

GOMES FILHO, Antonio Magalhães. Notas sobre a terminologia da prova (reflexos sobre o processo penal brasileiro). In: YARSHELL, Flávio Luiz; MORAES, Maurício Zanoide (Orgs.). Estudos em homenagem à professora Ada Pellegrini Grinover. São Paulo: DPJ Editora, 2005, p. 303-318.

GUARDIA, Gregório Edoardo Raphael Selingardi. Comunicações eletrônicas e dados digitais no processo penal. São Paulo: Max Limonad, 2014.

LIMA, Renato. Brasileiro de. Código de processo penal comentado. Curitiba: Juspodivm, 2017,

LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual penal. 16ª ed. São Paulo: Saraiva, 2019, p. 150.

MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 15ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2020, Edição do Kindle.

MENDES, Laura Schertel. Habeas data e autodeterminação informativa: os dois lados da mesma moeda. Direitos Fundamentais & Justiça, Belo Horizonte, ano 12, n. 39, p. 185-216, jul./dez. 2018.

MENDES, Laura Schertel. Privacidade, proteção de dados e defesa do consumidor: linhas gerais de um novo direito fundamental. São Paulo: Saraiva, 2014. Edição Kindle.

MENKE, Fabiano. A proteção de dados e o novo direito fundamental à garantia da confidencialidade da integridade dos sistemas técnico-informacionais no direito alemão. In MENDES, Gilmar Ferreira; SARLET, Ingo Wolfgang. COELHO, Alexandre Zavaglia P. (coord.). Direito, Inovação e Tecnologia. V. 1. São Paulo: Saraiva, 2015. Edição do Kindle.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 29ª ed. São Paulo: Atlas, 2013.

MOURA, Maria Thereza Rocha de Assis; BARBOSA, Daniel Marchionatti. Dados digitais: interceptação, busca e apreensão e requisição. In LUCON, Paulo Henrique dos Santos et. al. (coord.) Direito, Processo e Tecnologia. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2020, p. 477-502.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado. Rio de Janeiro: Forense, 2017.

PINHEIRO, Patricia Peck. Proteção de Dados Pessoais: Comentários à Lei n. 13.709/2018 -LGPD. Editora Saraiva, 2020, Edição do Kindle.

PRADO, Geraldo. Tutela contra a geolocalização contínua. In BRITO CRUZ, Francisco; FRAGOSO, Nathalie (eds.). Direitos Fundamentais e Processo Penal na Era Digital: Doutrina e Prática em Debate. Vol. III. São Paulo. InternetLab, 2020, edição Kindle.

QUITO, Carina. As quebras de sigilo telemático no processo penal e o paradoxo do acesso irrestrito às comunicações armazenadas. In LUCON, Paulo Henrique dos Santos et. al. (coord.) Direito, Processo e Tecnologia. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2020, p. 161-185.

RODOTÀ, Stefano. A vida na sociedade da vigilância: a privacidade hoje. Rio de Janeiro: Renovar, 2008.

ROXIN, A; et. al. Survey of Wireless Geolocation Techniques. 2007, Washington: IEEE Globecom Workshops, 2007, p. 1-9, doi: 10.1109/GLOCOMW.2007.4437809.

SANTOS, Cleopas Isaias; VALE, Samyr Béliche. Investigação em tempo real: a Lei n.º 13.344/2016 e as novas técnicas de geolocalizaçào de vítimas e suspeitos de crimes por tráfico de pessoas. In BRITO CRUZ, Francisco; FRAGOSO, Nathalie (eds.). Direitos Fundamentais e Processo Penal na Era Digital: Doutrina e Prática em Debate. Vol. III. São Paulo. InternetLab, 2020, edição Kindle.

SIDI, Ricardo. A Interceptação das comunicações telemáticas no processo penal. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2016, p. 295

SOMBRA, Thiago Luís Santos. Fundamentos da Regulação da Privacidade e Proteção de Dados Pessoais: Pluralismo jurídico e transparência em perspectiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2019.

WARREN, Samuel; BRANDEIS, Louis. The right to privacy. Harvard Law Review, v.4, n. 193, 1890.




DOI: http://dx.doi.org/10.31412%2Frbcp.v12i5.840

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

e-ISSN: 2318-6917 || p-ISSN: 2178-0013 || ISSN-L: 2178-0013

                                                                                                          ANP Editora     OAI PMH Metadata (Open Archives)