MÉTODOS DE IDENTIFICAÇÃO POST MORTEM EM NECROPAPILOSCOPIA FORENSE: revisão de literatura

Simone Mariana Delgado, Kristiane de Cassia Mariotti

Resumo


A Necropapiloscopia Forense é uma área pericial que trata da identificação humana post mortem por meio de impressões digitais. Para a realização da perícia necropapiloscópica os papiloscopistas utilizam métodos convencionais preconizados pela literatura e previstos em manuais e POP’s (procedimentos operacionais padrão). Porém, fenômenos cadavéricos e condições de morte como putrefação, mumificação, carbonização, saponificação e maceração, podem dificultar e até mesmo inviabilizar a obtenção de impressões digitais com qualidade suficiente para exame, o que faz com que muitos cadáveres permaneçam sem identificação. Diante disso, este artigo pretende fazer levantamento e discussão de trabalhos científicos que ofereçam propostas de técnicas de identificação humana post mortem na área de Necropapiloscopia Forense, caracterizando-as, descrevendo-as e avaliando-as, para que possam ser direcionadas à prática forense, fundamentada em conhecimento científico. A revisão integrativa foi eleita como metodologia de pesquisa. Buscou-se publicações completas sobre a temática no período de janeiro/2002 a março/2019, nas bases de dados Scopus, Pubmed e Google Scholar, nos idiomas português e inglês. 17 publicações enquadraram-se no critério de inclusão. As técnicas recomendadas incluem desde procedimentos manuais, relativamente simples, como técnica do pó e técnica da moldagem; à procedimentos mais complexos, como as técnicas de maceração química que exigem excisão de falanges e tratamento com reagentes químicos. As novas tendências apontam o uso da tecnologia como câmeras fotográficas, smartphones, scanners agregados a softwares para captura digital de impressões digitais e compartilhamento em tempo real das imagens, bem como, dos fatores de correção do sistema AFIS, uma vez que resolvem problemas como encolhimento e colapso das estruturas dos dedos. Os resultados encontrados neste estudo apontam que: métodos de identificação post mortem em Necropapiloscopia é uma área ainda pouco explorada pela literatura forense, principalmente aqui no Brasil; há necessidade de desenvolvimento de estudos científicos que preencham lacunas na área; as técnicas recomendadas na literatura devem ter continuidade na prática forense, para que possam ser devidamente aplicadas, aprimoradas, difundidas e incluídas em protocolos e POP’s da área, visando a melhoria significativa nos resultados que envolvam identificação humana de  cadáveres em diferentes estágios e condições de morte.


Palavras-chave


Identificação humana. Necropapiloscopia forense. Identificação de cadáveres. Técnicas de identificação. Impressões digitais.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR FILHO, A. M. A eficiência da perícia necropapiloscópica na identificação de vítimas em desastre de massa, em casos de repercussão e na identificação de cadáveres ignorados. Trabalho de conclusão de curso de Especialização em Perícia Criminal pela Universidade Paulista – UNIP. Goiânia, 2011, 22 p. Disponível em: https://www.fenappi.com.br/wp-content/uploads/2016/07/artigo-eficiencia-pericia-necro.pdf. Acesso em: 15 jan. 2019.

ANDRADE, L. M et al. Aplicação dos métodos de identificação humana post mortem no IML Estácio de Lima no período de janeiro de 2011 a dezembro de 2015. Revista Perspec Medicina Legal Per Med, n. 4, 2017. Disponível em: http://perspectivas.med.br/2017/10/aplicacao-dos-metodos-de-identificacao-humana-post-mortem-no-iml-estacio-de-lima-no-periodo-de-janeiro-de-2011-a-dezembro-de-2015-2/. Acesso em: 11 fev. 2019.

ANSELMO, L. Como enviar fotos em alta qualidade pelo Wathsapp, 2017. Disponível em https://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/2017/09/como-enviar-fotos-em-alta-qualidade-pelo-whatsapp.ghtml. Acesso em: 20 jul. 2019.

ARAUJO, L. et al. A identificação humana de vítimas de desastres em massa: a importância e o papel da Odontologia Legal. Revista da Faculdade de Odontologia - UPF, v. 18, n. 2, p. 224–229, 2014. Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-40122013000200018. Acesso em: 15 jan. 2019.

BLAU, S.; BRIGGS, C. A. The role of forensic anthropology in Disaster Victim Identification ( DVI ). Forensic Science International, v. 205, n. 1–3, p. 29-35, 2018.

BOLME, D. S. et al. Impact of environmental factors on biometric matching during human decomposition. 2016 IEEE 8th International Conference on Biometrics Theory, Applications and Systems, BTAS 2016. Anais...2016

CARNEIRO, A. P. C. Identificação humana post mortem. Olhares Plurais, v. 1, n. 18, p. 54-63, 2018. Disponível em https://revista.seune.edu.br/index.php/op/article/view/326. Acesso em: 15 jan. 2019.

CATTANEO, C. et al. Unidentified bodies and human remains: An Italian glimpse through a European problem. Forensic Science International, v. 195, n. 1–3, p. 167, 2010.

CHEN, C. C. et al. Comparison of rehydration techniques for fingerprinting the deceased after mummification. Journal of Forensic Sciences, v. 62, n. 1, p. 205–208, 2016.

CUTRO, B. T. Chapter Recording Living and Postmortem Friction. In: HERMAN B. et. al (org.). The fingerprint sourcebook. Washington: U.S. Department of Justice; 2012. p. 77–94.

DULTRA, M. A. L. Novo método para conservação e reidratação na identificação necropapiloscópica. Revista Científica do Departamento de Polícia Técnica da Secretaria de Segurança Pública da Bahia, v. 2, n. 6, p. 17–19, 2005.

FIELDS, R.; MOLINA, D. K. A novel approach for fingerprinting mummified hands. Journal of Forensic Sciences, v. 53, n. 4, p. 952–955, 2008.

FIGINI, A. R. L; SILVA, J. R. L.; JOBIM, L. F.; Silva, M. Identificação Humana. 2. ed., Campinas: Editora Millennium, 2003.

FIGUEIREDO, I. S. DE. Procedimento Operacional Padrão : Perícia Criminal. Secretaria Nacional de Segurança Pública, n. 2000, p. 55–81, 2013.

GAHR, B., et al. Quality improvement of fingerprints of decayed corpses by local thanatopractical processing (Thanatoprint). GMS Interdisciplinary Plastic and Reconstructive Surgery DGPW, v. 2, p. 1–5, 2013.

HERNANDEZ, G.; HESS, G. L. Rehydrating mummified hands: the Pima County experience. Academic Forensic Pathology, v. 4, n. 1, p. 114–117, 2014.

INEICHEN, M.; NEUKOM, R. Dactyloscopy of mummified cadavers. Arch Kriminol, p. 87–92, 1995.

INTERPOL. Disaster victim identification. 1997. Disponível em https://www.interpol.int/Media/Files/.../DVI/DVI-Guide-20082

IWAKAMI, E. Restoration of fingerprints from a mummified cadaver. Journal of Forensic Research, v. 04, n. 02, 2011.

JOHNSON, B. T.; RIEMEN, J. A. J. M. Digital capture of fingerprints in a disaster victim identification setting: a review and case study. Forensic Sciences Research, v. 0, n. 0, p. 1–10, 2018.

KAHANA, T., GRANDE, A., TANCREDI, D., PENALVER, J., E HISS, J. Fingerprinting the falled: traditional and new techniques. Journal of Forensic Sciences, v. 46, p. 908–912, 2001.

KHOO, L. S. et al. Underwater DVI: Simple fingerprint technique for positive identification. Forensic Science International, v. 266, p. e4–e9, 2016.

KIM, YOUNG-SAM; PARK, HEE-CHAN; EOM, Y.-B. The high temperature moisturizing method for obtaining quality postmortem fingerprints from decomposed fingers.J. Exp. Biomed Sci, v. 13, p. 369–374, 2007.

MASSEY, S.; KROON, P. Finger Tips: The use of mikrosil’s masking mastic to obtain fingerprints of a mummified hand. National Criminal Justice Reference Service, v. 33, n. 2, p. 66–70, 2010.

MENDES, K. D.; SILVEIRA, R. C.,; GALVÃO, C. M. Integrative literature review: a research method to incorporate evidence in health care and nursing. Texto Contexto Enferm, v. 17, n. 4, p. 758-764, 2008.

MENON, L. M. L. et al. Tanatologia Forense e Odontologia Legal: interface e importância na rotina pericial. Odonto, v. 19, n. 37, p. 15–23, 2011.

MIZOKAMI, L. L. Estudo morfológico comparativo das superfícies epidérmica e dérmica : perspectivas na identificação necropapiloscópica Estudo morfológico comparativo das superfícies epidérmica e dérmica : perspectivas na identificação necropapiloscópica. Tese (Mestre em Ciências Médicas) – Faculdade de Medicina, Universidade de Brasília- Brasília/DF, 115 p., 2014.

MIZOKAMI, L. L.; SILVA, L. R. V.; KÜCKELHAUS, S. A. S. Comparison between fingerprints of the epidermis and dermis: Perspectives in the identifying of corpses. Forensic Science International, v. 252, p. 77–81, 2015.

MONTENEGRO, J. B. et al. Identificação humana através de impressões digitais 11 meses após a morte. Derecho y Cambio Social, n. 30, p. 01-07, 2012.

MORGAN, L. O., et al. Autopsy fingerprint technique using fingerprint powder. Journal of Forensic Sciences, v. 63, n. 1, p. 262–265, 2018.

MORGAN, L. O., et al. Two novel methods for enhancing postmortem fingerprint recovery from mummified remains. Journal of Forensic Sciences, v. 64, n. 2, p. 602–606, 2019.

MULL, G.; PÜSCHEL, K.; JOPP, E. Fingerprint identification on a bog body (650 BC). Archaeological and Anthropological Sciences, v. 3, n. 2, p. 201–207, 2011.

PORTA, D. et al. A new method of reproduction of fingerprints from corpses in a bad state of preservation using latex. Journal of Forensic Sciences, v. 52, n. 6, p. 1319–1321, 2007.

POZZEBON, B. R. DA S.; FREITAS, A. C.; TRINDADE, M. B. Fotografia Forense – Aspectos históricos – Urgência de um novo foco no Brasil. Revista Brasileira de Criminalística, v. 6, n. 1, p. 14, 2017.

RAMOS, D. A gigante operação em Brumadinho. Revista Perícia Federal, ano 15, n. 43, p. 18-29, 2019.

RODRIGUES, R. A.; DIAS, A. M.; MACHADO, C. A. Materiais e técnicas de moldagem em prótese fixa-revisão de literatura. Saber Científico Odontológico, v. 2, n. 1, p. 45–54, 2012.

RUTTY, G. N.; STRINGER, K.; TURK, E. E. Electronic fingerprinting of the dead. International Journal of Legal Medicine, v. 122, n. 1, p. 77–80, 2007.

SILVA, A. J. et al. Identificação papiloscópica em cadáveres carbonizados – considerações médico legais e a importância da integração pericial. Brazilian Journal of Forensic Sciences, Medical Law and Bioethics, v. 7, n. 3, p. 205–222, 2018.

SILVEIRA, E. M. S. Z. S. F. A importância do odontolegista dentro do Instituto Médico Legal The importance of forensic dentistry inside a Forensic Institute. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, n. 11(1): 34–9, 2013.

SIRCHE. Mikrosil casting material kit white. 2018. Disponível em https://www.sirchie.com/catalogsearch/result/?q=Pasta+de+fundi%C3%A7%C3%A3o+Mikrosil+cor+branca&t=p. Acesso em: 20 abr. 2019.

SOUZA, M. T. DE; DIAS, M.; CARVALHO, R. DE. 9-Revisão integratica - Como fazer. Revista Eisnten, v. 8, p. 102–106, 2010.

TOMBOC, R.; SCHRADER, M. Obtaining fingerprint and palmprint impressions from decomposed bodies or burn victims using the mikrosil casting method. Journal Forensic Identification, v. 55, n. 4, p. 471–479, 2005.

UHLE, A.; LEAS, R. The boiling technique: A method for obtaining quality postmortem impressions from deteriorating friction ridge skin. Journal of Forensic Identification, v. 57, n. Figure 1, p. 358–369, 2007.

ÜZÜN, I. et al. Identification procedures as a part of death investigation in Turkey. American Journal of Forensic Medicine and Pathology, v. 33, n. 1, p. 1–3, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.31412%2Frbcp.v11i3.715

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

e-ISSN: 2318-6917 || p-ISSN: 2178-0013 || ISSN-L: 2178-0013

                                                                                                          ANP Editora     OAI PMH Metadata (Open Archives)