Investigação de homicídio, indiciamento e a tomada de decisão de delegados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31412/rbcp.v13i10.999

Palavras-chave:

homicídio, investigação, psicologia cognitiva, tomada de decisão, viés

Resumo

A tomada de decisão investigativa é um tópico que vem ganhando visibilidade após a descoberta que falhas nesse processo são responsáveis por erros de justiça como prisões equivocadas e má alocação dos escassos recursos policiais na investigação. Apesar do reconhecimento de sua importância, no Brasil ainda não houve uma pesquisa empírica sobre o tema, impedindo que possamos compreender como os delegados tomam decisões e como otimizá-las, evitando que vieses e heurísticas interfiram negativamente. Logo, o presente estudo se propôs a identificar o conhecimento e percepções de delegados de homicídio sobre tomada de decisão investigativa. Foram entrevistados 15 delegados com no mínimo dois anos de experiência na investigação de homicídios e suas respostas foram analisadas qualitativamente e quantitativamente através de estatísticas descritivas e Análise de Estrutura de Similaridades. Descobriu-se que todos os delegados haviam realizado cursos voltados ao seu trabalho, porém nenhum desses era sobre tomada de decisão investigativa, da mesma forma, pouquíssimos profissionais conheciam os termos “tomada de decisão investigativa”, “viés” ou “heurística”, indicando uma falha no aporte teórico do treinamento desses profissionais. Percebeu-se ainda que a existência de provas, a possibilidade e estrutura para identificar essas provas e as habilidades e competências individuais dos investigadores são os fatores que levam a uma investigação criminal de sucesso ou à sua falha, assim como influenciam na decisão de indiciamento. Portanto, é recomendável ações institucionais que possam fornecer os instrumentos necessários e treinamento teórico-prático em tomada de decisão investigativa para garantir uma boa investigação e reduzir falhas de justiça.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denis Victor Lino de Sousa, Universidade Federal de Pernambuco, Recife-PE, Brasil / Doutorando

Doutorando em Psicologia Cognitiva na Universidade Federal de Pernambuco com bolsa da CNPq, Mestre em Investigative and Forensic Psychology pela University of Liverpool, Especialista em Psicologia Jurídica e Investigação Criminal pela Faculdades Integradas de Patos (FIP), Graduado em Psicologia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Pesquisador em Psicologia Jurídica e Investigativa com artigos publicados em revistas científicas nacionais e internacionais e trabalhos apresentados em congressos nacionais e internacionais. Autor do livro "Criminal Profiling - Perfil Criminal: Análise do Comportamento na Investigação Criminal"

Antonio Roazzi, Universidade Federal de Pernambuco, Recife-PE, Brasil / Professor Titular

Doutor (D. Phil.) em Psicologia do Desenvolvimento Cognitivo pela University of Oxford obtido em 1988 sob a orientação do Prof. Peter E. Bryant (superviser) e Prof. Donald Broadbent (Adviser). Possui também título de ?Dottore? em Psicologia Aplicada pela Universitá degli Studi di Roma "La Sapienza". Fez pós-doutorado na University of London, University of Oxford, Istituto di Scienze e Tecnologie della Cognizione, ISTC (Roma, Itália), e Universitá degli Studi di Roma "La Sapienza". Foi membro de Comitês de Avaliação da CAPES, ENEM e FACEPE. Membro Titular (2000-2002) e Coordenador do Comitê de Assessoramento de Psicologia e Serviço Social do CNPq (CA-PS, 2011-2012). Tendo como base a Facet Theory e suas abordagens multidimensionais visa explorar métodos e técnicas de produção de conhecimento que lhes permitam gerar um saber útil para a previsão e/ou controle de fenômenos complexos. Ultimamente atua principalmente nos seguintes temas: avaliação psicológica, autoconsciência e estados ampliados de consciência, psicologia do desenvolvimento sociocognitivo, aprendizagem, lógica mental, teoria da mente, percepção de risco, gestão de pessoas, apego, violência urbana e o componente ambiental ressaltando os processos cognitivos, sociais e imagéticos de seus habitantes, entre outros. Foi Presidente da Sociedade Brasileira de Psicologia do Desenvolvimento (2002-2004) e da Facet Theory Association (2011-2013). É professor Titular do Dep. de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco e pesquisador Nível 1A do CNPq.

Referências

ALISON, Laurence; ALISON, Emily. K.; SHORTLAND, Neil. D.; SURMON-BÖHR, Frances. ORBIT: The science of rapport-based interviewing for law enforcement, security, and military. Oxford University Press, 2021.

ANDRADE, Flávio da Silva. A tomada da decisão judicial criminal à luz da psicologia: heurísticas e vieses cognitivos. In Revista Brasileira de Direito Processual Penal, 5(1), p. 507-540, 2019.

ASK, Karl.; FAHSING, Ivar. A. Investigative decision making. In A. A. Griffiths & R. Milne (Org.), The psychology of criminal investigation. London: Routledge, 2018, p. 51-72

ASK, Karl; ALISON, Laurence. Investigators’ decision making. In P.A. Granhag (Ed.), Forensic psychology in context: Nordic and International Approaches. New York: Willan Publishing, 2010, p. 35-55.

CECCONELLO, William. W.; ÁVILA, Gustavo Noronha; STEIN, Lilian Milnitsky. A (ir) repetibilidade da prova penal dependente da memória: uma discussão com base na psicologia do testemunho. In Revista Brasileira de Políticas Públicas. 8(2): 1057-1073, 2018

COOPER, Glinda. S.; METERKO, Vanessa. Cognitive bias research in forensic science: A systematic review. In Forensic science international. 297, 35-46, 2019.

ESTRATÉGIA NACIONAL DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA. Relatório Nacional da Execução da Meta 2: um diagnóstico da investigação de homicídios no país. Brasília: Conselho Nacional do Ministério Público, 2012. Disponível em: www.cnmp.mp.br/portal/images/.../relatorio_enasp_FINAL.pdf. Acessado em 19/05/2022.

EYSENCK, Michael W.; KEANE, Mark. T. Manual de Psicologia Cognitiva-7. Porto Alege: Artmed Editora, 2017.

FAHSING, Ivar. A. The making of an expert detective: Thinking and deciding in criminal investigations. Tese de Doutorado: University of Gothenburg, 2016.

FAHSING, Ivar.; RACHLEW, Asbjørn; MAY, Lennart. Have you considered the opposite? A debiasing strategy for judgment in criminal investigation. In The Police Journal, 0032258X211038888, 2021.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. 15ª Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2021.

GIGERENZER, Gerd. What is bounded rationality? In R. Viale (Org.), Routledge handbook of bounded rationality. London: Routledge, 2021.

GRIFFITHS, Andy; MILNE, Rebecca. Will it all end in tiers? Police interviews with suspects in Britain. In T. Williamson (Org.), Investigative interviewing: Rights, research, regulation. New York: Willan Publishing, 2006, p. 167-189.

GUTTMAN, Louis. A general nonmetric technique for finding the smallest coordinate space for a configuration of points. In Psychometrika. 33: 469-506, 1968.

GUY, Stephen J.; CHHUGANI, Jatin; CURTIS, Sean; DUBEY, Pradeep; LIN, Ming C.; MANOCHA, Dinesh. PLEdestrians: A Least-Effort Approach to Crowd Simulation. In Symposium on computer animation. 119-128, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE]. Perfil dos estados e dos municípios brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

INSTITUTO SOU DA PAZ. Onde Mora a Impunidade? Porque o Brasil precisa de um Indicador Nacional de Esclarecimento de Homicídios. Edição 2020. Instituto Sou da Paz, 2020.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar: duas formas de pensar. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

LINO, Denis. Criminal Profiling/Perfil Criminal: Análise do Comportamento na Investigação Criminal. Curitiba, PR: Editora Juruá, 2021b.

LINO, Denis. The Effects of Investigator’s Individual Factors on Investigative Decision Making: A Systemic Review. In International Journal of Criminal Justice, 3(2), 43-67, 2021a.

MONTI, M.; GIGERENZER, Gerd; MARTIGNON, Laura. Le decisioni in ambito finanziario: Dall'homo oeconomicus all'homo heuristicus. In M. Balconi & A. Antonietti (Org.), Scegliere, comprare: Dinamiche di acquisto in psicologia e neuroscienze. Milan: Springer, 2009, p. 57-80.

RASSIN, Eric. Reducing tunnel vision with a pen-and-paper tool for the weighting of criminal evidence. In Journal of Investigative Psychology and Offender Profiling. 15(2): 227–233, 2018.

ROAZZI, Antônio; DIAS, Maria. Teoria das facetas e avaliação na pesquisa social transcultural: Explorações no estudo do juízo moral. In: Conselho Regional de Psicologia - 13a Região PB/RN. (Ed.), A diversidade da avaliação psicológica: Considerações teóricas e práticas. João Pessoa: Ideia, 2001, p. 157-190.

ROAZZI, Antônio; SOUZA, Bruno Campello. Advancing Facet Theory as the Framework of Choice to Understand Complex Phenomena in the Social and Human Sciences. In S. H. Koller (Org.), Psychology in Brazil: Scientists Making a Difference. New York: Springer, 2019, p. 283-309. doi:10.1007/978-3-030-11336-0

ROAZZI, Antônio; SOUZA, Bruno Campello; BILSKY, Wolfgang. Facet Theory: Searching for Structure in Complex Social, Cultural and Psychological Phenomena. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2015. DOI: 10.13140/RG.2.1.3267.0801.

ROESE, Neal; VOHS, Kathleen. D. Hindsight bias. In Perspectives on psychological science, 7(5): 411-426, 2012

ROSSMO, Kim (Org.) Criminal Investigative Failures. Boca Raton: CRC Press, 2009.

ROSSMO, Kim; POLLOCK, Joycelyn. Confirmation Bias and Other Systemic Causes of Wrongful Convictions: A Sentinel Events Perspective. In Northeastern University Law Review. 11(2): 790-835, 2019.

SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA E SEGURANÇA PÚBLICA. Diagnóstico da perícia criminal no Brasil. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Segurança Pública, 2012.

SIMON, Dan. In doubt: The psychology of the criminal justice process. Harvard, UK: Harvard University Press, 2012.

SLEATH, Emma; BULL, Ray. Police perceptions of rape victims and the impact on case decision making: A systematic review, In Aggression and Violent Behavior, 34:102, 2017.

STEIN, Lilian Milnitsky; ÁVILA, Gustavo Noronha. Avanços científicos em psicologia do testemunho aplicados ao reconhecimento pessoal e aos depoimentos forenses. Brasília: Secretaria de Assuntos Legislativos, Ministério da Justiça (Série Pensando Direito, No. 59)., 2015. Disponível em: http://pensando.mj.gov.br/wp-content/uploads/2016/02/PoD_59_Lilian_web-1.pdf. Acesso em: 22 abril 2021

VIALE, Riccardo. Routledge handbook of bounded rationality. London: Routledge, 2021.

WOJCIECHOWSKI, Paola Bianchi; ROSA, Alexandre Morais da. Vieses da justiça: como as heurísticas e vieses operam nas decisões penais e a atução contraintuitiva. Florianópolis: Empório Modara, 2018.

Publicado

"30/09/2022"

Como Citar

SOUSA, D. V. L. de; ROAZZI, A. Investigação de homicídio, indiciamento e a tomada de decisão de delegados. Revista Brasileira de Ciências Policiais, Brasília, Brasil, v. 13, n. 10, p. 101–136, 2022. DOI: 10.31412/rbcp.v13i10.999. Disponível em: https://periodicos.pf.gov.br/index.php/RBCP/article/view/999. Acesso em: 29 nov. 2022.