Segurança, Contributo da Escola de Copenhaga

Autores

  • Rui Pedro Reis Instituto Superior Ciências Policiais e Segurança Interna, Lisboa, Portugal /

DOI:

https://doi.org/10.31412/rbcp.v13i9.898

Palavras-chave:

Relações Internacionais, Escola de Copenhaga, Conceito, Segurança, Segurança Internacional.

Resumo

A segurança é algo que faz parte do léxico discursivo, contudo nem sempre é um tema de fácil abordagem e conceptualização. O objetivo deste ensaio é reflectir sobre o contributo da Escola de Copenhaga para o conceito de segurança. Recorremos a uma revisão narrativa da literatura expondo uma abordagem construtivista à forma como se encara a segurança. Centramo-nos naquilo que é entendido como segurança para a Escola de Copenhaga, a sua abordagem epistemológica, a ideia base de segurança bem como as ferramentas de análise que os seus percussores forjaram. Pretendemos apresentar quais os principais conteúdos desta escola e nomear os elementos essenciais de segurança para esta corrente teórica que tem o speach act como percursor. Intentamos aquilatar o que é entendido como conceito de segurança para a Escola de Copenhaga indo para além do tradicional - militar. Nesta sequência desenvolvemos uma abordagem dos conceitos propostos por esta na segurança internacional na abordagem aos complexos de segurança regional. A proposição que almeja na teoria da securitização aliado ao conceito de segurança numa expansão a outros sectores concebendo-a além do tradicional militar abrangendo os sectores políticos, económicos, soceitais e ambientais. Mais recente também a proposta da sectorização ao campo cibernético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Austin, J. L. (1962). How to do things with Words The William James Lectures delivered at Harvard University in 1955 (Oxford University Press (ed.)). https://doi.org/10.14361/9783839429693-021

Balzacq, T. (2005). The three faces of securitization: Political agency, audience and context. European Journal of International Relations, 11(2), 171–201. https://doi.org/10.1177/1354066105052960

Barrinha, A. (2013). Debates críticos: os Estudos de Segurança e o futuro dos Estudos da Paz e dos Conflitos. Universitas: Relações Internacionais, 11(2). https://doi.org/10.5102/uri.v11i2.2526

Berenskoetter, F. (2017). Approaches to concept analysis. Millennium: Journal of International Studies, 45(2), 151–173. https://doi.org/10.1177/0305829816651934

Brandão, A. P. (2015). A UE e o terrorismo transnacional: securitizing move e ator normativo, uma contradição nos termos? In A. Barrinha & M. R. Freire (Eds.), Segurança, liberdade e política: Pensar a escola de copenhaga em português (1.a, pp. 45–78). ICS - Imprensa de ciências socias.

Buzan, B. (1991). People, States and Fear: an Agenda for International Security Studies in the Post-Cold War Era. Lynne Rienner Publishers.

Buzan, B., & Hansen, L. (2009). The Evolution of International Security Studies. Cambridge University Press.

Buzan, B., & Lawson, G. (2008). Book review: The Global Transformation. Journal of Travel & Tourism Marketing, 24(4), 321–325. http://dx.doi.org/10.1080/10548400802156836

Buzan, B., & Wæver, O. (2003). Regions and Powers. Cambridge Studies In International Relations, 91.

Buzan, B., Waever, O., & Wilde, J. (1998). Security: A New Framework for Analysis. Lynne Rienner Publishers.

C.A.S.E. Collective. (2006). Critical approaches to security in Europe: A networked manifesto. Security Dialogue, 37(4), 443–487. https://doi.org/10.1177/0967010606073085

Dunne, T., Kurki, M., & Smith, S. (2013). International Relations Theories (Issue 9). Oxford University Press.

Griffiths, M., & O’Callaghan, T. (2002). International Relations: The Key Concepts. In International Relations: The Key Concepts. Routlege. https://doi.org/10.4324/9780203748206

Guzzini, S. (2013). The ends of International Relations theory: Stages of reflexivity and modes of theorizing. European Journal of International Relations, 19(3), 521–541. https://doi.org/10.1177/1354066113494327

Guzzini, S. (2015). A história dual da securitização. In A. Barrinha & M. R. Freire (Eds.), Segurança, liberdade e política: Pensar a escola de copenhaga em português (1.a, pp. 15–32). ICS - Imprensa de ciências socias.

Hansen, L., & Nissenbaum, H. (2009). Digital disaster, cyber security, and the copenhagen school. International Studies Quarterly, 53(4), 1155–1175. https://doi.org/10.1111/j.1468-2478.2009.00572.x

Jackson, R., & Sorensen, G. (2013). Introduction to International Relations - Theorie and Approches (Fifth). Oxford University Press. https://doi.org/10.1002/9781118574362.ch8

Koselleck, R. (2014). Estratos do Tempo - Estudos Sobre História (Hediger Markus Traduçao (ed.); 1.a-Bras). Contraponto.

Kratochwil, F. (1989). Rules, Norms, and Decision: On the Conditions of Practical and Legal Reasoning in International Relations and Domestic Affairs. Cambridge University Press.

Mcsweeney, B. (1996). Identity and security: Buzan and the Copenhagen school. Review of International Studies, 22(1), 81–93. https://doi.org/10.1017/S0260210500118467

Onuf, N. (1989). World of Our Making. In R. Little, I. B. Neumann, & J. Weldes (Eds.), World of Our Making: Rules and Rule in Social Theory and International Relations (2013th ed.). Routledge. https://doi.org/10.4324/9780203722428

Saraiva, J. F. S. (2007). História das relações internacionais contemporâneas: da sociedade internacional do Século XIX à era da globalização (2.a). Editora Saraiva. https://1drv.ms/b/s!Aq69qFkOJZB-qnHHgp8h7y6qvn1e

Sartori, G. (1970). Concept misformation in comparative politics. The American Political Science Review, 64(4), 1033–1053.

Silva, C. C. V. e, & Pereira, A. E. (2019). A Teoria de Securitização e a sua aplicação em artigos publicados em periódicos científicos. Revista de Sociologia e Política, 27(69). https://doi.org/10.1590/1678987319276907

Tucídides. (2001). História da guerra de Peloponeso (IPRI - Universidade de Brasilia (ed.); 4.a). Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Walker, R. B. J. (2007). Security, critique, Europe. Security Dialogue, 38(1), 95–103. https://doi.org/10.1177/0967010607075974

Weaver, O. (1995). Securitization and Desecuritization. In R. Lipschutz (Ed.), On Security (pp. 46–86). Columbia University Press.

Weaver, O., Buzan, B., & Kelstrup, M. (1993). Identity, Migration and the New Security Agenda in Europe. Pinter-Centre for Peace and Conflict Research.

Publicado

2022-05-31

Como Citar

REIS, R. P. Segurança, Contributo da Escola de Copenhaga. Revista Brasileira de Ciências Policiais, [S. l.], v. 13, n. 9, p. 265–287, 2022. DOI: 10.31412/rbcp.v13i9.898. Disponível em: https://periodicos.pf.gov.br/index.php/RBCP/article/view/898. Acesso em: 29 jun. 2022.